Atendimento: o básico revisitado

Vou falar sobre atendimento. O básico. Já se vem falando dele desde sempre, mas parece que ainda não foi suficiente. Vamos colocar assim: na última semana você teve uma experiência de bom atendimento em qualquer dos pontos comerciais em que esteve? No último mês? Não lembra? Se não lembra é porque não houve, concorda? Uma experiência de bom atendimento é rara. Quando ela acontece a gente lembra por um bom tempo. Até comenta com alguém.

Em tempos de tantas novidades, de cultura global. Redes sociais, internet, democratização da informação, até parece contra senso falar em algo tão básico. Mas acredito que temos que ter em mente a ordem das prioridades. Primeiro objetivo das empresas? Vender! Não dá para fugir deste pressuposto. Pode mascarar a venda, chamar por outro nome, fazer de conta que é outra coisa, mas não é. É venda.

Vender é importante e não é fácil. E a venda é a única forma de trazer dinheiro para as empresas. Todos os outros departamentos gastam. A ironia é o descaso com que se trata o ato de vender. Investimento alto na loja, decoração (se loja física), programação e design (se virtual), estoque. Sim, todos investimentos importantes e necessários. Mas, se não houver investimento na equipe de vendas, vai um grande percentual por água abaixo. Porque não existe produto que não possa ser substituído. Se o vendedor trata mal, o cliente segue para a próxima loja.

E isso vale para todas as circunstâncias: loja física, loja virtual, produto, serviço. E vamos um pouco adiante? Serve para vida pessoal, também!

Apostar na gentileza pode ser a saída. Não custa tentar. E é sempre bom mensurar. Estabelecer um prazo e observar os resultados. Por no papel, quem sabe fazer um gráfico? Eixo y: grau de gentileza aplicado, eixo x: resultados favoráveis obtidos. Observar a curva, e repetir o que deu certo. Eu espero que você obtenha uma curva ascendente!

Este pode ser o primeiro passo para alcançar um resultado melhor de sua equipe. A promoção de um ambiente gentil é responsabilidade do líder. Os seguidores precisam ter o modelo.